Visita do Governador ao Perini e a UFSC

O governo do Estado não vai negar informações sobre contratos de isenção fiscal concedidos a empresas em gestões anteriores. Estamos revisando todos. Vamos informar ao Ministério Público, ao Tribunal de Contas do Estado os contratos todos – até mesmo os de gaveta – aqueles feitos por meio de atos administrativos, mas que não são decretos. Não sei quantos são. Nós vamos entregar estes dados sem expor as empresas.

A fala é do governador Carlos Moisés, em Joinville, durante visita à Escola Teatro Bolshoi do Brasil. Diz que a CPI dos incentivos, na Assembleia Legislativa, trará a transparência que defende. Confirmou que não vai revogar, “de pronto”, os decretos do governo anterior, que extinguiu benefícios tributários, como queria a Fiesc. Eles serão revistos e os beneficiários, no novo formato em preparação, terão de dar contrapartida.

Moisés também afirmou que a suspensão da licitação para ações de publicidade vai na mesma direção de transparência. Reafirmou o corte de 922 cargos comissionados.

Apoio certo

No Bolshoi, Moisés disse que “entende a importância da escola e que continuará sendo parceiro”, para, a seguir, lembrar que assumiu uma herança financeira “que não é boa” e prometeu investir “naquilo que importa”. Empresários de Joinville tinham pouca expectativa em relação à passagem do governador Carlos Moisés pela vez à cidade. Foi a primeira vinda dele à mais importante cidade catarinense em termos econômicos.

É lógica a prudência dos líderes empresariais. É preciso conhecer melhor o que pensa e como age o governador antes de lhe entregar documentos e pedidos. Como Moisés deixou claro em entrevista à coluna na terça-feira, a situação financeira do Estado é gravíssima.

Os lugares

Neste contexto de penúria, e em início de mandato, não há como exigir algo. Essa missão institucional – a de reivindicar – cabe à Prefeitura, representando os interesses da cidade.

A escolha dos lugares por onde Moisés esteve também reflete as demandas recorrentes do município, e o quanto as lideranças valorizam o Corpo de Bombeiros Voluntários e a Escola Bolshoi. O primeiro em razão de sua importância histórica centenária para a cidade e para o empresariado. É a corporação que fiscaliza empreendimentos.

O outro, ícone cultural emblemático bem mais recente, a divulgar Joinville nacional e internacionalmente. Ambos, a cada ano, precisando de recursos – inclusive do Estado – para fechar suas contas, e dar conta de suas atribuições. Os Bombeiros querem formalizar convênio com o Estado no valor de alguns milhões de reais por ano.

Na UFSC

A ida ao Perini Businesss Park, com almoço nas instalações do campus da UFSC, é um reconhecimento ao mais relevante espaço de negócios, a representar 2,5% do PIB estadual e um quinto da riqueza criada em Joinville.

Daí, o peso político e influência que tem. Moisés aproveitou para conhecer o Ágora Tech Park, com obras em fase final, a ser inaugurado em 30 dias. Na foto, a diretora geral do campus, Cátia Regina Carvalho Pinto; o governador Carlos Moisés e o prefeito Udo Döhler.

Fonte – NSCToral – Cláudio Loetz

Gostou deste artigo?

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on linkedin
Compartilhe no Linkdin
Share on email
Envie para um amigo

Deixe um comentário: